caso não seja imediatamente redirecionado, estou em http://escritacarmim.blogspot.pt/

segunda-feira, 22 de abril de 2013

{os sem terra}

vi agora que hoje é o dia da terra e lembrei-me como às vezes me sentia só por não ter terra.
nasci e cresci na cidade, a minha terra.
era na minha terra que eu vivia, ia à escola, tinha os amigos.
depois chegava o verão e eu passava os três meses de férias sozinha, sem ter com quem brincar, porque todos tinham ido para a terra.
e eu já estava na minha terra.
quando ía para elvas era a terra da minha mãe e eu continuava a ser uma míuda da cidade noutra cidade.
nunca brinquei na terra.
nas minhas memórias de infância não há cheiro a terra, nem sabor de fruta arrancada das árvores, não há joelhos esfolados nem mergulhos no rio.
aliás, lembro-me que uma vez em elvas a minha família foi toda fazer um piquenique para o guadiana.
lembro-me que fomos muito cedo, ainda estava escuro, não sei porque fomos tão cedo.
lembro-me de me ter aproximado da beira do rio e do nojo ao ver a água esverdeada com mosquitos a pairar e ao sentir o lodo debaixo dos pés.
deve ter sido a única vez na vida em que molhei os pés num rio.
e lembro-me que a minha prima mais nova destravou o carro do avô, o meu tio 'mexias', que só parou com as rodas da frente já dentro de água, nós as primas mais velhas a gritar e os homens a tentarem segurar o carro com a gaiata lá dentro.
em elvas eu não brincava com os outros míudos, que corriam pelo castelo e se sujavam e eram mais pobres.
só brincava com os primos e em casa.
por isso nunca percebi esse entusiasmo com a terra, essa sede de regresso e o sossegar do coração ao matar saudades.
aliás, eu não gostava da terra, essa entidade abstrata que me roubava os amigos.
mas tenho pena de não ter uma terra, deve ser bom poder fugir para algum lugar onde nos sintamos bem, um lugar aonde sintamos que pertencemos.
eu não tenho terra.


1 comentário :

  1. vais sempre a tempo de encontrar aquele sítio especial onde sintas que sempre fizeste parte daquela terra e onde possas molhar os pés e o corpo todo nas águas límpidas de um riacho e que te dê vontade de voltar uma e outra vez.
    Eu encontrei :)

    ResponderEliminar